segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

São Paulo: Nino Cucina

Nino Cucina foi um dos restaurantes paulistanos mais comentados em 2016. Como o próprio site informa, é um local intimista, aconchegante e descontraído para prosa e paladar, onde a sala, o bar e a cozinha se misturam. O chef Rodolfo de Santis, italiano da região de Puglia e que ganhou o recente título de chef do ano 2016 pela Revista Veja, apaixonou-se pela comida ainda pequeno. Aos 14 anos iniciou a sua trajetória gastronômica estudando na Escola Alberghiera, em Brescia, norte da Itália. Ao longo da sua carreira internacional, trabalhou em casas como o Le Cinq Four Season de Paris (duas estrelas Michelin) e o La Pergola em Roma (três estrelas Michelin). No Brasil desde 2010, Rodolfo trabalhou em alguns restaurantes até lançar carreira solo em 2015. As filas na porta já indicam que o Nino é concorrido. Enquanto esperava minha mesa (ao final, acabei ficando mesmo pelo balcão), pedi um Negroni do Nino, com Tanqueray 10, Antica Formula e Campari.   
Para começar, Polenta Cacio e Pepe com Gema Caipira. Esse é o tipo de entrada que eu gosto, com poucos ingredientes, mas de sabores intensos. Depois foi a vez da porção de Arancini, também muito saborosa e de apresentação convidativa. Para prato principal, fui de Arrabiatta com Cavatelli, Pomodoro Fresco, Polvo e PeperoncinoÔ vontade que eu estava de experimentar esse prato. Superou minhas expectativas, mesmo tendo salsa (que não sou muito fã) não mudaria nada no prato. Peguei um pedaço de pão para limpar a panela onde é servida a massa. Só de olhar novamente para a foto, bate aquela fome. 
Para sobremesa: Tiramisù (é claro!). Antes de pedir a conta, um espresso Lavazza. Para resumir, o Nino Cucina é um restaurante que merece ser visitado em São Paulo. O cardápio enxuto da casa é recheado de delícias com ótimo custo-benefício e atendimento. Já quero logo programar uma nova visita...  

domingo, 15 de janeiro de 2017

Salvador: Baby Beef Alvarez

O Baby Beef sempre foi um restaurante de grande destaque no cenário gastronômico da cidade, inclusive com abertura de filiais em outros estados. Com o passar do tempo, reformulações foram feitas e a casa hoje se chama Baby Beef Alvarez, com nova administração, trazendo uma repaginação e modernização de sua estrutura. O clássico couvert da casa continua o mesmo, com aquele pão de queijo saboroso, as cenouras geladas e molho gorgonzola. Ao pedir uma carne, o cliente pode se servir no buffet do local, cheio de complementos interessantes. Falando em carne, o corte Primerib, que serve duas pessoas, é um dos meus preferidos. Muito suculento e saboroso. Para acompanhar, sugiro pedir as batatas soufleé, uma farofinha e um vinho. Para ajudar na digestão e não pesar tanto, termine o almoço com um Creme de Papaya com Licor de Cassis. Simples, mas muito gostoso. Ah, vale dizer que a casa está com um Festival de Carnes Nobres, onde o cliente paga R$78 por pessoa e tem direito a degustação livre de vários cortes, buffet e acompanhamentos (mais informações AQUI). É uma ótima oportunidade para conhecer ou relembrar o sabor Baby Beef. 

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Passeio por Helsinki, capital da Finlândia.

Helsinque é a maior cidade da Finlândia, concentrando as principais atrações do país. As ruas organizadas e arborizadas são um verdadeiro convite a longos passeios a pé, passando por monumentos, edifícios antigos e modernos, museus e parques. Dominada por russos no passado, muitas de suas construções faz lembrar St. Petersburgo (Rússia), trazendo um ar provinciano e ao mesmo tempo pitoresco. Considerada uma das melhores cidades para ser viver, quase não há trânsito, crimes ou multidões. No passeio de um dia que fiz ano passado, enquanto viajava com a Happy Tour pela Escandinávia e Rússia, comecei experimentando um café local, mas logo passei para a cerveja, pois a variedade era grande. 
Numa feira de rua, várias postas de salmão selvagem (de altíssima qualidade) eram expostas em grelhas, trazendo um aroma muito bom para as ruas. Nem preciso comentar que acabei fazendo um pit stop numa das barracas para tomar uma sopa de salmão (para esquentar um pouco) e comer um peixe. Tudo muito bom. Espero algum dia retornar para explorar mais essa cidade interessante.

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Burger Veggie de Shitake e Shimeji

Fiz um Burger de Cogumelos que deu certo. A "carne" foi feita com shimeji e shitake refogados na manteiga e shoyo. Depois acrescentei cebola ralada, aveia, ovo, sal e pimenta do reino. Grelhei com um pouco de PAM na frigideira e finalizei com queijo maçaricado. O sabor ficou interessante, provando que comida vegetariana pode ser muito boa. Pode ser servido com salada ou então na forma tradicional. O sanduba da última foto levou alho crocante, creme de ricota, rúcula e tomate cereja. 

terça-feira, 18 de outubro de 2016

São Paulo: A Casa do Porco Bar

Surpreendente. Esse é o adjetivo mais apropriado para A Casa do Porco Bar, do chef Jefferson Rueda, que fica bem no Centro de São Paulo. Sucesso de crítica e de público (horas e horas de fila em dias concorridos), a casa descolada, que lembra muito os mercados de Nova York (bar + mercado + restaurante), explora muito bem o potencial da carne suína. Enquanto esperava minha mesa do lado de fora, pedi logo uma Porcopoca (pururucas crocantes, saborosas e sequinhas) com uma Cerveja Horny Pig da Blondine. Como pedi menu degustação, experimentei algumas opções que o local trabalha, começando bem pelo Couvert com Pão Artesanal, Embutidos (de cabeça e presunto real Rueda - de ótima qualidade), Picles, Compotas e Mostarda. Depois a coisa foi esquentando com os deliciosos Tartar de Porco e Sushi de Barriga de Porco. 
Continuando o almoço, chegou a vez de experimentar a Sanguiça (linguiça de sangue) com Tangerina e a Costelinha com Arroz, Algas e Alface Romana. Não sou muito fã de linguiça de sangue, mas meu conceito melhorou bastante depois de experimentar essa entrada. Depois veio o excelente Croquete de Porco com Mostarda de Tucupi, combinado com o também excelente Pão no Vapor com Barriga de Porco, Cebola Roxa e Pimenta Fermentada. Achei nota 10 a Pancetta com Goiabada Apimentada, que sempre via em publicações no Instagram. A versão deles do Virado à Paulista também agradou meu paladar.
Antes de partir para o prato principal, tive que fazer um pedido que não estava incluso no menu: o Temaki de Porco. Servido com Hana-humê e Shissô, achei muito criativo e saboroso apresentar um temaki suíno! Para finalizar a degustação, foi servido o Porco San Zé, churrasqueado, úmido por dentro e crocante por fora, servido com Tutu de Feijão, Tartare de Banana e Couve. Rapaz... sem palavras. Ingredientes simples, mas muito bem executados, enaltecendo ainda mais o encanto que tive nessa primeira visita ao local. Só para vocês terem noção, o estrelado chef catalão Ferran Adriá elogiou publicamente num o prato num grande evento de gastronomia mundial. Fechou a degustação com chave de ouro. 
Em resumo: Ambiente descontraído, ótimo atendimento, bons preços e um excelente menu de pratos utilizando "porco", o ingrediente estrela da @acasadoporcobar. O chef @jeffim_rueda aproveita o animal por inteiro transformando o #menudegustacao (ótimo custo-benefício) em algo memorável. Curti muito! Pretendo voltar em breve! 

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

São Petersburgo: Strogonoff

Sim, eu comi strogonoff na Rússia. Foi num tradicional restaurante típico em São Petersburgo, cujo nome pode ser observado acima, mas não sei qual é a tradução para o ocidente. O local era grande e logo de cara tinha um bar com vários tipos de vodka (é claro!). Fui logo fazendo uma degustação e experimentando uns petiscos típicos de peixe e picles. Depois, já na mesa, a refeição começou com uma Borsch, típica sopa russa. Depois, comi uma salada de pepino com creme azedo e dill, temperada com sal negro. Para prato principal, como já dito, fui de strogonoff de carne com cogumelos e purê de batata. Para terminar, um sorvete de creme e um passeio pelas redondezas do local. Comida estava boa, mas nada imperdível.